CRAM já realizou 480 atendimentos em 2021 em Três Lagoas, 28% a mais que 2020 no mesmo período

O Centro de Referência e Atendimento à Mulher (CRAM) de Três Lagoas – Halley Coimbra, já realizou nos primeiros 10 meses de 2021, 28% mais atendimentos do que o mesmo período de março a dezembro de 2020, com 480 ao todo. A informação foi repassada pela coordenadora do CRAM Rafaella Marques em entrevista exclusiva ao Jornal Expressão MS desta sexta-feira (19). O programa vai ao ar toda quarta e sexta-feira as 12hs e pode ser assistido através da página do Expressão MS no Facebook e no canal no You Tube.

Juntamente com a assistente social Elizabeth Moreira, Rafaella abordou também sobre a campanha de combate à violência contra a mulher que se inicia neste sábado (20), “16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres”, e todos os atendimentos realizados pelo CRAM e a forma de mulheres vítimas dessa violência, poder denunciar ou entrar em contato para atendimento.

Segunda taxa do país

Mato Grosso do Sul tem a segunda maior taxa de feminicídio de todo o Brasil, empatado com Roraima. Segundo o Anuário de Segurança Pública, do FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública), divulgado em junho, os dois estados registraram 3 crimes a cada 100 mil habitantes.

Outro dado que assusta é o de homicídios de mulheres, quando o registro policial não classifica como feminicídio, crime previsto desde 2015 que prevê pena maior para quem comete assassinato de mulheres na condição de cônjuge ou companheiro ou por menosprezo à vítima.

No ano passado, foram registrados em 43 municípios, aumento de 41,3% se comparado com 2019. Foram registrados em 2020 111 homicídios de mulheres, 4,5% a mais que em 2019, que teve 105 casos.

Por outro lado, as tentativas de feminicídio e de assassinatos de mulheres apresentaram redução no período. Em 2019, foram 267 tentativas de homicídio e 84 tentativas de feminicídio, contra 222 tentativas de homicídio e 54 tentativas de feminicídio em 2020.

Os casos de violência doméstica também registram queda. Dos 5.111 registrados em 2019, o número caiu para 4.778 no ano passado. Ameaças diminuíram de 17.063 em 2019 para 14.865 em 2020.

Assédio e estupro

Em números absolutos, os registros de estupro também apresentaram queda. Dos 751 casos denunciados em 2019, foram notificados 320 em 2020, o que representa redução de 57,9%.

Assédio sexual teve uma queda menor, de 50 casos em 2019 para 31 em 2020, assim como importunação sexual, de 462 registros em 2019 para 382 no ano passado.

Apesar da redução, o Estado tem a maior taxa de estupro e estupro de vulnerável de todo o País, com 68,9 casos a cada 100 mil habitantes. (Dados com informações do Campo Grande News).

“16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres”

Com início neste sábado (20), a Secretaria Municipal de Assistência Social, por meio do CRAM, lançará a Campanha, que é um movimento anual, com abrangência em todo o mundo, pela erradicação de todo o tipo de violência com as mulheres e garantia de seus direitos.

Neste sábado, dia 20 de novembro, comemora-se o Dia Nacional da Consciência Negra, e engloba diversas datas importantes, tais como: 25 de novembro: Dia Internacional da Não Violência Contra a Mulher; 01 de Dezembro: Dia Mundial de Combate a AIDS; 06 de Dezembro: Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência Contra as Mulheres e 10 de Dezembro: Dia Mundial dos Direitos Humanos.

De acordo com Rafaella, O CRAM e toda a rede de enfrentamento do município de Três Lagoas, composta pela Delegacia da Mulher, PROMUSE (Programa Mulher Segura), Defensoria Pública, CMDM e diversos parceiros definiram a programação das ações da Campanha, sendo:

20/11 – Entrevista em rádio local sobre a Campanha com participação de representante do Conselho do Negro;
25/11 – Estande informativa no Programa Nossa Praça, com apresentação Teatral;
26/11 – Café com Prosa temático na sede do CRAM;
01/12 – Palestra preventiva aos adolescentes acolhidos;
06/12 – Evento para homens – CRASE Coração de Mãe
10/12 – Blitz Educativa no trânsito

Acompanhe a entrevista na íntegra abaixo, e saiba tudo sobre os atendimentos do CRAM e como proceder para entrar em contato:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *