De olho na qualidade e na segurança do serviço prestado por transportadores autorizados e no combate ao transporte clandestino, a Agems (Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos) realizou cinco apreensões em um período de 28 dias. O número corresponde a veículos particulares que foram flagrados realizando ilegalmente o transporte remunerado de pessoas, um serviço público coletivo que é regulado e fiscalizado pela Agência. Nesta lista também aparecem ônibus e micro-ônibus irregulares.

Além das apreensões, houve também autuações e multas, em um total de 33 ocorrências, por algum tipo de infração constatada durante a realização da viagem.

Para chegar a esse resultado, agentes da Câmara Técnica de Fiscalização e Assessoria Militar foram aos terminais, rodovias, bases das polícias rodoviárias e polícia ambiental, trevos e perímetros urbanos. Foram feitas 370 abordagens.

“Inovamos na criação da Assessoria Militar, fizemos investimentos na estrutura da fiscalização com equipamentos, coletes, uniformes, com drones e veículos. E os resultados estão aí: cada vez mais a presença da nossa fiscalização fazendo a diferença para garantir o transporte seguro ao cidadão”, diz o diretor-presidente da Agems, Carlos Alberto de Assis.

Carnaval

Durante todo o mês de fevereiro foram feitas operações nas diferentes regiões de Mato Grosso do Sul. Com o feriado de Carnaval, foi desencadeada operação especial, que teve início no dia 15 e foi concluída no dia 27.

Nessas ações, foram priorizadas a Capital e regiões que costumam ter grande fluxo de pessoas por conta da realização de festejos públicos tradicionais, ou pelo apelo turístico. Somente nesse período, com 173 abordagens, foram feitas as principais apreensões de veículos clandestinos, no total de cinco. Onze transportadores foram autuados.

“Nós intensificamos a fiscalização já nos dias que antecederam o Carnaval e mantivemos até o começo desta semana. Essa operação ampliada garantiu a verificação detalhada da grande movimentação do transporte de pessoas nesse período”, conta o diretor de Transportes, Matias Gonsales.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *