A 3ª Promotoria de Justiça de Amambai instaurou Inquérito Civil para averiguar a regularidade da divulgação e realização do evento denominado “Show do Cupido”, ocorrido no dia 12 de março de 2023, em Amambai.

Conforme amplamente divulgado nos diversos veículos de imprensa e redes sociais, vários espectadores do evento, formado em sua maioria por crianças e adolescentes, relataram intenso desconforto com o conteúdo da apresentação, alegando que este seria impróprio para o público presente.

Preliminarmente, a Promotoria de Justiça constatou que os próprios produtores do evento em suas redes sociais classificam a apresentação como recomendável apenas para maiores de 16 anos, no entanto, há indícios de que tal informação foi omitida nos diversos meios de divulgação.

Segundo o Promotor de Justiça Thiago Barbosa da Silva, ainda é prematuro falar em cometimento de crimes específicos, o que está em fase inicial de investigação pela Polícia Civil de Amambai, entretanto a inobservância da divulgação da classificação indicativa do evento, vedando a participação de menores de 16 anos pode configurar infração administrativa do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o que pode ensejar a imposição de multa aos responsáveis e proibição da realização de novos eventos.

De igual forma, a investigação pela Promotoria pretende esclarecer se houve financiamento do evento pela Prefeitura Municipal, bem como de promover a integral observância do ECA sobre a forma de divulgação e participação de crianças e adolescentes em eventos, apresentações e espetáculos diversos.

Os responsáveis pelo “Show do Cupido” também foram autuados pela Polícia Militar Ambiental em R$ 47.000,00 por uso de animais como atrativos, pois no local do evento foram apreendidas duas serpentes, uma jiboia e um píton (espécie exótica), e ainda responderão pela prática de crime ambiental por introduzir uma espécie exótica no país. Os animais foram encaminhados para o Centro de Animais Silvestres de Campo Grande.

A Lei Estadual nº 3642/2009 proíbe em todo o Estado de Mato Grosso do Sul a apresentação em espetáculo circense ou similar que tenha como atrativo a exibição de animais de qualquer espécie.

Já o ECA prevê como infrações administrativas as hipóteses em que o responsável por diversão ou espetáculo público deixa de informar a natureza do espetáculo e a faixa etária especificada, assim como o anúncio por qualquer meio de apresentações ou espetáculos sem a indicação dos limites de idade a que não se recomendem, com imposição de multas de três a vinte salários-mínimos aos responsáveis pelo evento, à casa de espetáculo e aos órgãos de divulgação ou publicidade.

O assunto também foi alvo de pronunciamentos de deputados na Assembleia Legislativa com vários deputados cobrando atitudes por parte das autoridades policiais e do ministério público, além da prefeitura do município onde ocorreu o evento.

O deputado estadual Rafael Tavares (PRTB) criticou a apresentação circense e disse que, ao analisar as imagens, “é absurdo” o show com crianças presentes.

“Nosso gabinete oficiou a prefeitura de Amambai para saber o motivo dessa apresentação, pois muitos familiares nos procuraram para saber quem é o responsável pelo apoio por esse evento, como se deu o apoio, e o que a gestão municipal de Amambai fará para responder ao cidadão”, relatou.

O deputado Paulo Corrêa (PSDB) explicou que entrou em contato com o prefeito municipal de Amambai, Ednaldo Luiz de Melo Bandeira (PSDB) e que foi informado que não houve apoio da prefeitura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *