O ex-governador Reinaldo Azambuja, presidente estadual do PSDB de Mato Grosso do Sul, ontem confirmou que o partido já contratou os institutos responsáveis pela execução de pesquisas qualitativas de intenções de votos para as prefeituras de Campo Grande, Dourados, Corumbá, Três Lagoas e Ponta Porã, bem como pelos levantamentos quantitativos e qualitativos de intenções de votos para as prefeituras das demais 74 cidades do Estado.

“Essas pesquisas nos 79 municípios de Mato Grosso do Sul nos mostrarão o quadro atual para as eleições do próximo ano, apontando as lideranças já consolidadas e também as novas. Elas também revelarão como estão as administrações dos 42 prefeitos do Estado que podem tentar a reeleição em 2024”, revelou Reinaldo Azambuja.

Segundo o presidente estadual do PSDB, com esses levantamentos, será possível avaliar o cenário para as eleições municipais do próximo ano em Mato Grosso do Sul. Ele acredita que, com as informações em mãos, o partido terá melhores condições para começar a definir os nomes mais indicados para a disputa em cada um dos municípios.

A decisão de realizar essas pesquisas foi tomada durante a reunião da executiva estadual do PSDB em Mato Grosso do Sul, realizada no início deste mês, em Campo Grande, a fim de alinhar os propósitos, as metas e os objetivos para as eleições municipais de 2024, visando maior agilidade e melhores resultados na prática política.

Reinaldo Azambuja declarou para a reportagem que, mesmo que as pesquisas apontem que prefeitos aptos à reeleição estejam com avaliação ruim das suas administrações, isso não será um impedimento para que eles sejam candidatos.

“Não se pode tirar a possibilidade de tentar a reeleição de quem está no mandato. As pesquisas vão apenas nortear o caminho que o prefeito deve tomar para melhorar seu desempenho junto a seus eleitores. Afinal, faltando mais de um ano para as eleições de 2024, há tempo suficiente para que o gestor reverta a situação desfavorável que pode ter atualmente”, pontuou o ex-governador.

Um norte

No caso dos cinco maiores municípios sul-mato-grossenses, as pesquisas ajudarão a legenda a definir um norte para a escolha do partido para disputar as eleições municipais do ano que vem.

Em Campo Grande, Três Lagoas e Ponta Porã, onde, a princípio, o PSDB só tem um único postulante ao cargo de prefeito, as pesquisas vão ajudar a avaliar como esses nomes estão avaliados pelos eleitores.

Na Capital, o nome já definido é o do deputado federal Beto Pereira, enquanto em Três Lagoas é o do atual presidente da Câmara Municipal, vereador Cassiano Rojas Maia, e, em Ponta Porã, é o do atual prefeito Eduardo Campos.

Dr. Cassiano Maia deve ser o candidato do partido para sucessão do prefeito Angelo Guerreiro em 2024.

Para Dourados, o levantamento qualitativo apontará quem é o melhor nome do PSDB para disputar a prefeitura municipal, pois, no momento, os deputados estaduais Lia Nogueira e Zé Teixeira, bem como o deputado federal Geraldo Resende, já se colocaram à disposição para serem o representante tucano a enfrentar o atual prefeito, Alan Guedes (PP).

Em Corumbá, a exemplo de Dourados, há o interesse do secretário municipal de Governo, Luiz Antônio da Silva, mais conhecido como Pardal, da ex-deputada federal Bia Cavassa e dos vereadores Ubiratan Canhete de Campos Filho, o Bira, e Luciano Costa (PSDB).

Diferença

Como o nome já diz, uma pesquisa quantitativa quantifica os dados para responder um questionamento, um problema de pesquisa. A quantificação, nesse caso, se dá tanto na forma de coleta dos dados via questionário quanto na análise dos resultados e sua apresentação posterior.

Pesquisas quantitativas são usadas em situações em que se busca validar estatisticamente uma hipótese, mesmo sem necessariamente entender as motivações por trás das respostas. Uma pesquisa de mercado quantitativa deve, então, seguir um modelo estruturado de questionário e entrevista.

Nessa modalidade de pesquisa, o respondente tem acesso a hipóteses já formuladas e, com sua opinião, pode comprovar, derrubar ou mesmo formular novas hipóteses. O questionário, nesse caso, deve seguir um ou mais caminhos predeterminados.

As informações obtidas em uma pesquisa quantitativa vêm em formato de números ou dados que possam ser transformados em números. Pegando como exemplo a metodologia Net Promoter Score (NPS), é possível identificar a abordagem quantitativa na pergunta padrão da pesquisa.

No caso da NPS, o respondente dá uma nota na escala proposta, que, posteriormente, é agrupada em três grupos distintos, e cada grupo representa os “clientes promotores da marca avaliada, os clientes neutros e os detratores da marca”.

A pesquisa NPS é só um exemplo, mas, toda vez que uma pesquisa de satisfação ou qualquer outra que venha em formato de questionário para você selecionar opções de resposta é respondida, o entrevistado está respondendo a uma pesquisa quantitativa.

Utilizando uma pesquisa quantitativa, seu projeto terá resultados uniformes, que facilitarão um entendimento mais padronizado dos dados obtidos. É por isso que os resultados de pesquisas quantitativas são facilmente traduzidos em gráficos e tabelas.

Basicamente, uma pesquisa qualitativa explora informações mais subjetivas e em profundidade. A pesquisa qualitativa leva em consideração as particularidades dos entrevistados em uma análise ampla e não mensurável ou não quantificável.

Esse tipo de pesquisa é conduzida de forma exploratória, em que o entrevistado é estimulado a opinar mais livremente, nem sempre de uma forma que pode ser expressada em números ou mesmo em palavras. Isso porque pesquisas qualitativas, mais do que seguir um questionário, seguem um roteiro, conferindo mais liberdade e participação opinativa do entrevistado.

A condução de uma pesquisa qualitativa, portanto, é mais livre e pode vir em formatos diversos, como entrevistas em profundidade ou mesmo os conhecidos grupos focais – técnica de marketing que reúne um grupo de pessoas para discutir determinados assuntos com a presença de um moderador.

Opte por realizar uma pesquisa qualitativa, por exemplo, quando seu objetivo incluir uma contextualização mais profunda das respostas para validar o teste de um produto, conceito ou campanha.

Depois de coletados os dados, o resultado de uma pesquisa qualitativa também é apresentado de forma diferente. Em vez de gerar números, traduzidos em gráficos e tabelas, a pesquisa é apresentada em forma de relatórios aprofundados. Esses relatórios destacam trechos de entrevistas, frases e opiniões mais relevantes encontrados durante a pesquisa.

 

Fonte: Correio do Estado
Foto: Divulgação CMCG

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *