A Suzano alcançou a marca de 180,8 mil toneladas de corretivos e fertilizantes agrícolas produzidos com o reaproveitamento de resíduos florestais e industriais na Unidade de Três Lagoas. Nos últimos três anos e meio, foram produzidas 165.955 toneladas de corretivos de solo e 14.887 toneladas de fertilizantes orgânicos, o que corresponde a uma produção de quase 4,3 mil toneladas de insumos agrícolas ao mês.

Somente em 2023, foram produzidas 30.170 toneladas de corretivos de solo e 7.480 toneladas de fertilizantes orgânicos. O volume de insumos orgânicos deste ano praticamente bateu toda a produção dos anos dois anos anteriores. Entre 2021 e 2022, foram produzidas 7.409 toneladas de fertilizantes.

De acordo com Eduardo Ferraz, gerente executivo Industrial da Unidade de Três Lagoas, o resultado superou as expectativas da companhia e deve-se, principalmente, ao empenho da empresa para reduzir o volume de resíduos industriais, orgânicos e inorgânicos, que seriam destinados aos aterros industriais. “A nova central de tratamento de resíduos da Unidade Três Lagoas veio para tornar o nosso ciclo operacional ainda mais sustentável. O que antes era descarte, se transforma em corretivos e adubo, retornando para a terra, seja em as nossas florestas e seja para o mercado agrícola. Na companhia, temos um direcionador que diz que ‘Só é bom para nós, se for bom para o mundo’ e reduzir o volume de rejeitos destinados para aterros é bom para os negócios, para a sociedade e, principalmente, para o meio ambiente”, destaca Ferraz.

A Central de Tratamento de Resíduos da Suzano foi implantada na Unidade de Três Lagoas com o objetivo de produzir corretivos de solo, semelhante ao calcário, para as florestas da Suzano. Já em 2021, a estrutura foi ampliada, incluindo também a produção de Fertilizantes Orgânicos.

Com os investimentos feitos na ampliação, a capacidade produtiva da primeira planta, a de Corretivo de Solo, passou de 2.500 toneladas/mês para 5.000 toneladas de corretivos de solo ao mês. Já a segunda planta, de Fertilizantes Orgânicos, em capacidade máxima, pode produzir até 1.000 toneladas de fertilizantes orgânicos e 1.500 toneladas de substrato orgânico ao mês.

Sustentabilidade

Com a geração dos produtos agrícolas, a empresa deixou de destinar cerca de 470,4 mil toneladas de resíduos sólidos para aterros industriais (próprios e de terceiros). O volume corresponde a 100% dos rejeitos orgânicos e inorgânicos reciclados para produção de corretivos de acidez de solo.

O fertilizante produzido é resultado do processamento de lodos biológicos de Estação de Tratamento de Efluentes e de cascas de eucalipto que seriam descartadas. Já para a produção de corretivos de solo, são utilizados resíduos industriais inorgânicos (dregs e grits, subprodutos gerados no processamento da celulose; lama de cal e cinzas de biomassa).

Eduardo Ferraz ressalta que os resultados obtidos em Três Lagoas estão alinhados às metas de longo prazo da Suzano, entre elas, a de reduzir em 70% os resíduos sólidos industriais destinados para aterros até 2030. “No setor de celulose, somos uma das empresas pioneiras em pesquisas e projetos voltados para a economia circular, visando reduzir o volume de resíduos descartados e transformando-os em outros subprodutos, gerando ganhos ambientais e competitividade para a empresa”, completa o gerente.

Aplicação dos insumos

Toda a produção de corretivos de solo, que atuam como substitutos do calcário, é destinada para as florestas da Suzano, representando cerca de 58% do consumo total de insumos utilizados pelo setor florestal.

Já a produção de fertilizantes e substratos orgânicos é disponibilizada para ao mercado agrícola de Mato Grosso do Sul e do Estado de São Paulo, por meio de empresa parceira, e para atender instituições apoiadas pela companhia por meio de projetos de desenvolvimento social, que busca o fortalecimento da agricultura familiar em Mato Grosso do Sul.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *