O Ministério Público de Mato Grosso do Sul, por meio do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (GAECO), deflagrou, na manhã desta quarta-feira (3/1), a 3ª fase da Operação Successione para o cumprimento de dois mandados de prisão preventiva e de um mandado de busca e apreensão, na cidade de Campo Grande/MS.

O avançar dos trabalhos de investigação, a partir do material apreendido durante as duas primeiras fases da Operação Successione, deflagradas em 5 e em 20 de dezembro de 2023, respectivamente, além de outras diligências, revelou o envolvimento de várias outras pessoas na organização criminosa.

Segundo levantamentos, a organização criminosa, que age de maneira violenta para estabelecer seu domínio, mesmo depois de uma ação policial ocorrida em outubro de 2023, continuou a investir na aquisição de máquinas, para operar o jogo do bicho nesta Capital.

A organização é integrada por policiais militares da reserva e de um ex-policial militar (excluído dos quadros da corporação), que se valiam de sua condição, especialmente do porte de arma de fogo, como forma de subjugar a exploração do jogo ilegal aos mandos e desmandos da organização criminosa, tudo para tornar Campo Grande novo território sob seu comando.

Em suma, ao final desta fase da investigação, o GAECO concluiu que 15 pessoas, todas denunciadas no dia 19 de dezembro, cada qual a sua maneira, integravam organização criminosa armada, estruturalmente ordenada e com divisão de tarefas, voltada à exploração ilegal do jogo do bicho, roubos triplamente majorados, corrupção, entre outros crimes graves.

Rememorando, o nome da operação faz alusão à atual disputa pelo controle do “jogo do bicho”, em Campo Grande, com a chegada de novos grupos criminosos que migraram para a Capital após a “Operação Omertà”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *