Operação Fogo Amigo: Polícia Civil de Três Lagoas desmantela rede de homicídio e tráfico

WhatsApp Image 2024-02-28 at 08.01.21

Em uma demonstração notável de precisão investigativa e cooperação inter-estadual, a Polícia Civil do Mato Grosso do Sul, com o apoio crucial da Polícia Civil de São Paulo, deflagrou a operação “Fogo Amigo” nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira, 28 de fevereiro. O alvo desta meticulosa ação foi a captura dos suspeitos envolvidos em um caso de duplo homicídio em Três Lagoas.

A operação foi o culminar de sete meses de investigações intensivas realizadas pela Seção de Investigação Geral (SIG) e pelo Núcleo Regional de Inteligência (NRI) da Delegacia Regional de Polícia Civil de Três Lagoas. As diligências convergiram para a cidade de Bauru/SP, lar dos suspeitos, onde a operação se desdobrou em uma ação conjunta com unidades especializadas da Polícia Civil Paulista.

O caso aconteceu em julho de 2023, quando dois corpos, de um homem e uma mulher, foram encontrados em estado deplorável, parcialmente carbonizados e com claros sinais de asfixia. Os assassinatos ocorreram em locais distintos, mas igualmente periféricos de Três Lagoas.

A meticulosa investigação, liderada pelas autoridades de Três Lagoas, desvendou a teia de crimes que ligava os suspeitos aos homicídios brutais, além de revelar envolvimento em atividades de tráfico de drogas. Este último ponto foi confirmado pela apreensão de uma grande quantidade de substâncias ilícitas, levando à prisão em flagrante de um dos suspeitos por este crime adicional.

A operação “Fogo Amigo” não somente sublinha a eficácia da colaboração inter-estadual entre as forças de segurança mas também reitera o compromisso das autoridades em garantir a segurança e a justiça para as vítimas de crimes violentos. Com os mandados de prisão e de busca e apreensão devidamente expedidos, após aval do Ministério Público e autorização judicial da Comarca de Três Lagoas, a justiça agora parece estar ao alcance.

Os detidos serão transferidos para Três Lagoas, onde enfrentarão as consequências legais de seus atos, acusados de homicídio qualificado por motivo fútil, uso de meio que impossibilitou a defesa das vítimas, emprego de fogo, asfixia e o intuito de ocultar outro crime. Este caso, embora trágico, evidencia o poder da perseverança e da colaboração interagencial na luta contra o crime, prometendo justiça para as vítimas.

Compartilhe nas Redes Sociais

Outras Notícias

Banca Digital

Edição 217