Investigada por superfaturamento tem R$ 118,8 milhões em contratos com sete prefeituras no Estado

operacao-jazida3-1536x864

Alvo da Operação Jazida do DRACCO (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado), a GTX Construtora e Serviços Ltda. venceu seguidas licitações por obras tocadas em sete municípios de Mato Grosso do Sul. A empreiteira é investigada por superfaturamento de obras, por vencer as concorrências em questão, conquistou em torno de R$ 118,8 milhões de 2021 para cá.

A soma supera, com sobra, em 23 vezes o capital social da construtora, que é de R$ 4,9 milhões.

A GTX conta com dois sócios, Rodrigo Gomes da Silva e Ivan Felix de Lima, este último investigado também, desde 2018, por suposta ligação com um golpe milionário posto em prática por meio do chamado bitcoin, tipo de moeda virtual.

À época, Ivan era chamado na imprensa local de o “Rei dos Bitcoins”, por ter sido apontado pelo Ministério Público como um dos principais articuladores da trama.

Os milhões juntados pela empreiteira GTX

  • Prefeitura Ivinhema – R$ 52,7 milhões;
  • Prefeitura de Água Clara – R$ 25,9 milhões;
  • Prefeitura de Ladário – R$ 19,9 milhões;
  • Prefeitura de Nova Alvorada do Sul – R$ 8.1 milhões;
  • Prefeitura de Três Lagoas – R$ 5,7 milhões;
  • Prefeitura de Bataguassu – R$ 5 milhões;
  • Prefeitura de Deodápolis – R$ 1,5 milhão.

Em alguns municípios, as prefeituras tocaram as obras em parceria com o Estado, portanto, dinheiro saiu também de cofre público, aquele que arrecada recursos por meio da coleta de impostos, pagos pela população. A verba foi arrecadada ainda por meio de empréstimo com a Caixa Econômica Federal.

Última investida que avançou contra a GTX Construtora ocorreu semana passada e foi deflagrada pelo Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado), setor investigativo da Polícia Civil de MS. A operação, batizada de Jazida, apura, segundo o Dracco, suposto superfaturamento na obra de pavimentação de ruas da cidade de Bataguassu. Na denúncia, é dito que a obra começou em 2022 e não fora concluída até agora, dois anos depois.

Ainda conforme o Dracco, a GTX foi contratada para pavimentar trecho da rodovia que corta o município administrado pelo prefeito Akira Otsubo, do MDB, conhecida como Reta A1, situada em Porto XV. Pela investigação, foi constatado suposto superfaturamento de R$ 728,5 mil.

Em nota divulgada pelo Dracco, narrou-se que a obra em questão foi “iniciada no início do ano de 2022 e até hoje, ainda não foi concluída”.

O comunicado sustentou ainda que a empreiteira “escavou e retirou volumes expressivos de terra em uma jazida irregular em propriedade privada, localizada próxima à obra”. Também em nota, a prefeitura de Bataguassu negou irregularidades nas obras tidas como suspeitas.

As prefeituras que gastaram mais com a GTX foi a de Água Clara, R$R 25,9 milhões, recurso que teria sido aplicado em obras de infraestrutura e iluminação.

Ladário pagou R$ 19,9 milhões à empreiteira pelo que o município situado na fronteira de MS com a Bolívia chamou de “modernização da Orla fluvial da cidade”.

E, ainda, a prefeitura de Ivinhema, que disponibilizou R$ 52,7 milhões à GTX, que fora contratada para arrumar ruas e avenidas da cidade.

O empreiteiro ainda não se manifestou quanto as às denúncias, também tocadas pelo MPMS. Se isso ocorrer, o espaço está reservado.

Outras investigações

Em abril de 2018, período que Ivan foi implicado num escândalo surgido por meio de apuração conduzida pelo Gaeco (MPMS), o caso de a ver com a chamada pirâmide financeira, que teria disso propagandeada por uma suposta trama conhecida como mineração de bitcoins. O empresário e outras 15 pessoas foram denunciadas pela tal trama.

Minerworld, empresa com escritório no Paraguai era quem administrava o dinheiro do suposto golpe.

A empresa teria atraído milhares de interessados no negócio, o de aplicar uma quantia em bitcoins e, logo, obterem lucros atrativos, que, em prazo curtíssimo, multiplicariam em duas, três e até cinco vezes a cifra empregada na operação.

Não há um número certeiro, contudo, comenta-se entre as pessoas que perderam dinheiro que o esquema teria vitimado ao menos 50 mil investidores e a quantia trapaceada teria alcançado o valor de R$ 300 milhões. Nesta investigação, Ivan diz ser inocente e seu nome fora envolvido porque era um “investidor” no negócio, não o dono.

A GTX também caiu numa investigação do MPMS, em Dourados, por suposta ligação com fraude em processos licitatórios.

 

Com O Jacaré

Compartilhe nas Redes Sociais

Outras Notícias

Banca Digital

Edição 218