Mais da metade das empresas de MS não têm funcionários

Feiarte-1-730x480

Mais da metade das empresas (incluindo suas matrizes e filiais) que atuam em Mato Grosso do Sul não têm empregados: a força de trabalho vem apenas de seus sócios.

É o que indica o Cadastro Central de Empresas (Cempre) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgado nesta quinta-feira (20).

Conforme os números do IBGE, ao final de 2022 Mato Grosso do Sul tinha, ao todo, 139.701 unidades locais.

Uma unidade local é uma que agrega algum tipo de prestação de serviço, pode ser uma empresa (uma matriz ou uma filial), uma entidade sem fins lucrativos, ou mesmo uma unidade da administração pública.

Destas 139.701 unidades locais, 90.292 (64,6%) eram formadas apenas por sócios e proprietários, sem qualquer pessoa assalariada.

Conforme o IBGE, estas unidades locais empregavam 18,6% do total de 845.260 ocupadas no Estado, enquanto as unidades locais com pessoas empregadas tinham 35,4% do total de ocupados.

Quando consideradas suas naturezas jurídicas, 106.542 eram Entidades empresariais, 12.138 eram Entidades sem fins lucrativos e 1.055 eram pertencentes à administração pública.

A distribuição dos empreendimentos pelos municípios de MS mostra que os maiores números, em 2022, são: Campo Grande, com 37,2% (51.996), Dourados 9,90% (13.846) e Três Lagoas 4,99% (6.973). Na outra ponta ficam Taquarussu, com 0,08% (122) e Japorã, com 0.09% (127).

A distribuição da população ocupada pelos municípios de MS mostra que os maiores números, em 2022, são: Campo Grande, com 41,7% (353.237), Dourados 10,1% (85.308) e Três Lagoas 5,6% (47.830). Na outra ponta ficam Japorã, com 0.06% (583) e Taquarussu, com 0,07% (612).

Maiores salários

Entre as Unidades Locais (ULs) de MS, as despesas com pagamentos de salários e outras remunerações totalizaram 30 bilhões de reais.

O setor que mais registrou despesas neste quesito foi o da Administração pública, defesa e seguridade social, com R$ 9,3 bi.

Em segundo lugar, fica Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas, com R$ 4,2 bi e em terceiro, Indústrias da Transformação, com R$ 4 bilhões.

O salário médio das unidades locais de Mato Grosso do Sul, ao final de 2022, era de R$ 3352,24.

O setor com melhor média salarial é o de eletricidade e gás, com média de R$ 6.298,74.

Salários médios por setor

  • Eletricidade e gás R$ 6298,74
  • Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados R$ 6149,01
  • Administração pública, defesa e seguridade social R$ 5497,26
  • Educação R$ 4863,2
  • Indústrias extrativas R$ 3650,6
  • Saúde humana e serviços sociais R$ 3516,96
  • Água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação R$ 3123,02
  • Indústrias de transformação R$ 3002,53
  • Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura R$ 2841,41
  • Atividades profissionais, científicas e técnicas R$ 2693,76
  • Informação e comunicação R$ 2648,56
  • Transporte, armazenagem e correio R$ 2618,88
  • Construção R$ 2541,14
  • Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas R$ 2303,55
  • Artes, cultura, esporte e recreação R$ 2044,24
  • Atividades administrativas e serviços complementares R$ 1786,08
  • Outras atividades de serviços R$ 1778,63
  • Atividades imobiliárias R$ 1750,41
  • Alojamento e alimentação R$ 1487,81

Fonte: IBGE – Cadastro Central de Empresas

 

Com Correio do Estado

Compartilhe nas Redes Sociais

Outras Notícias

Banca Digital

Edição 218