A ex-deputada federal Rose Modesto afirmou que continua filiada ao União Brasil e poderá disputar a presidência regional da sigla em Mato Grosso do Sul. “Eu nunca pedi para sair”, garantiu, após ser excluída da executiva por ato monocrático da senadora Soraya Thronicke. A disputa entre as duas líderes promete marcar a eleição do partido, prevista para ocorrer até o fim do mês.

A polêmica começou com o fim do primeiro turno das eleições de 2022, quando Rose ficou em 4º lugar na disputa do Governo ao conquistar 178 mil votos. Na ocasião, ao anunciar apoio ao candidato a governador de oposição, Capitão Contar (PRTB), a então candidata anunciou que deixaria o União Brasil.

Na ocasião, conforme Rose, ela deixou claro que deveria permanecer no partido até 31 de janeiro, quando terminou o mandato de deputada federal. “Foi um momento de tristeza e desabafo”, afirmou, ao se solidarizar com os candidatos a deputado estadual e federal que alegaram não ter recebido o dinheiro combinado para a campanha eleitoral.

Integrantes do União Brasil pediram para Rose permanecer na sigla e ajudar no fortalecimento do partido no Estado. “Para sair, é preciso fazer uma carta pedindo desfiliação, eu não fiz”, afirmou a ex-deputada. Ela também não foi submetida a nenhum processo de expulsão.

“Não tem nada entre eu e a Soraya”, garantiu, sobre a briga entre as duas. “Eu nunca briguei nem discuti com a Soraya”, afirmou. Em seguida, a ex-deputada criticou a condução do diretório regional pela senadora. “A condução é vergonhosa”, condenou.

Além da decisão do juiz Flávio Saad Peron, da 15ª Vara Cível de Campo Grande, Rose conta com o apoio do diretório nacional para permanecer como primeira vice-presidente do partido. O magistrado suspendeu a eleição realizada na terça-feira (4) por Soraya, que acabou elegendo o advogado Rhiad Abdulahad, como novo presidente regional do União Brasil.

A nova eleição deverá ser marcada e vai ser acompanhada pela direção nacional. Rose garante que vai estar na chapa para disputar com Soraya. Ela afirma que não deve ser como presidente.

No entanto, a ex-deputada admitiu que tem sido incentivada a disputar o comando do partido com a senadora. Rose disse que houve muitos pedidos para ter “coragem” para disputar a presidência.

Ela criticou a tese de que o tesoureiro adjunto, Anderson Pereira do Carmo, não era filiado ao União Brasil. “Como pode ser tesoureiro adjunto sem estar filiado ao partido”, criticou Rose.

A eleição terá a participação de 24 membros da executiva regional, do deputado estadual Roberto Hashioka e dos delegados de dez municípios com diretório. Rose e Soraya vão disputar 35 votos.

O União Brasil conta com outras “estrelas”, como o ex-vice-governador e ex-prefeito de Dourados, Murilo Zauith, o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e o vereador por Campo Grande, coronel Alívio Vilassantti.

Fonte: O Jacaré

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *