A diretoria da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) aprovou na tarde de quinta-feira (19) que a Empresa Suzano Celulose invista R$ 1,270 bilhão para construir e administrar por 99 anos linha férrea de 136 quilômetros ligando Três Lagoas a Aparecida do Taboado e um ramal ferroviário de 24,7 quilômetros na área urbana do município de Três Lagoas.

Este interesse da Suzano em construir a ferrovia existe porque vai ser uma alternativa ao transporte rodoviário – que está sobrecarregado – para exportar a produção de 3,25 milhões de toneladas de celulose por ano nas duas unidades que tem em Três Lagoas.

Por isso, temendo futuras limitações para escoar a produção, no final de 2021 a empresa fez o pedido na ANTT para construir a ferrovia de 136 quilômetros entre Três Lagoas e Aparecida do Taboado que vai receber investimentos de R$ 1,1 bilhão.

Com esta linha férrea fica garantido que a produção chegue ao Porto de Santos, onde é exportada. Na análise do pleito na tarde de quinta-feira (19), o diretor-relator da ANTT, Felipe Queiroz, afirmou que o incremento de capacidade ferroviária para o país é importante sendo que o requerimento da Suzano “convergia com a política público do setor ferroviário”, sendo a exploração indireta por meio de autorga de autorização.

Ele ressaltou que a empresa apresentou toda a documentação exigida e que ficou provada a “viabilidade locacional e aspectos técnicos e operacionais” da ferrovia e que a concessão por 99 anos não contraria os interesses públicos.

A decisão e os argumentos do relator foram similares no processo que envolveu o ramal de 24,7 quilômetros na área urbana de Três Lagoas, que terá investimentos de R$ 170 milhões. O trecho vai interligar o Arco do Contorno da Rumo Malho Oeste (RMO) e a duas unidades de produção de celulose.

Com estas aprovações, a Suzano já tem três autorizações. Em janeiro do ano passado, a ANTT permitiu que a empresa assine contrato para construir 231 quilômetros de ferrovia ligando Ribas do Rio Pardo a Inocência, com investimentos de R$ 1,6 bilhão, com a concessão de 99 anos, prorrogáveis pelo mesmo período.

De acordo com pedido, o trecho entre Ribas e Inocência vai ser interligado com a linha férrea da Rumo Malha Norte (RMN). Em Inocência vai ser construído um “pátio de espera-despacho com um comprimento útil de 1.800 m, podendo absorver composições de até 80 vagões típicos de celulose.

Já em Ribas do Rio Pardo (Projeto Cerrado) considera-se utilizar uma pera ferroviária que acessará diretamente o armazém de estocagem”, segundo pedido da empresa.

Esta ferrovia vai ser usada para escoar a produção de 2,55 milhões de toneladas/ano da unidade em construção em Ribas do Rio Pardo, intitulado Projeto Cerrado. Estão sendo investidos R$ 19,3 bilhões, com previsão da produção começar em 2024.

Contrato

Com a decisão unânime da diretoria da ANTT, o Ministério de Infraestrutura já pode assinar com a empresa contrato de concessão para que as obras sejam iniciadas, porém ainda não há uma data definida para que o acordo seja formalizado.

 

Fonte: Correio do Estado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *